16 de nov de 2014

Ler é como uma bicicleta, escrever é pedalar

Ler é como uma bicicleta, escrever é pedalar.


Quando se fala em literatura, deixa-se muito para traz o ato de escrever.
Ler é bom, mas escrever atrai o pensamento ao ato de ler.
Muitos lêem e depois não sabem escrever sobre o que leu, talvez faça um resumo
da leitura na fala (voz) mas, ao ter de escrever, encontra um cavalo de batalha enorme.
Primeiro, as pessoas tem medo de errar palavras no seu escrever por causa da ortografia
e o desconhecimento básico da gramática; essa última tão mau ensinada nas escolas,
Professores fazem da gramática uma matemática precisa sem qualquer atrativo lúdico. um anátema.
Depois, esse medo maldito, transforma-se em aversão, tanto na leitura quanto na escrita.

Escrever, escrever, escrever... isso fará perder o medo da leitura e da prática escrita os tantos alunos ávidos por aprender.
É como praticar acordes musicais, o treino o fará melhor a cada novo acorde aprendido.
A leitura, depois que se aprende, é como andar de bicicleta, porém, escrever, ainda causa medo ao vexame e ao ridículo.

Escrever é transformar o pensamento em linhas escritas, a partir de leituras comparativas anteriores;
leitura aqui em várias mídias: desenhos animados, histórias em quadrinhos, filmes, imagens, etc.
O grande exercício é escrever e não somente ler. Pego aqui novamente a imagem da bicicleta:
Saber o que é uma bicicleta, mas exercitar o ato de pedalar, fará do ciclista um expert no ciclismo.

Humberto Firmo, Brasília, 11/2014.