24/05/2014

23/04/2014

O verme



Eis-me verme;
sou um verme.

trafego entre os decompostos
e as inábeis energias descendentes.

Onde há fim estou;
hiena triturando obscuros tutanos,
tétricos lampejos perpassam...
meu estômago destila-os.

"Sou operário das ruínas"
labuto por feixes ainda vãos.

Preciso imediatamente de um vermífugo que esterilize
toda digressão de minha vida.

                                                              Humberto Firmo